Há algumas semanas no momento em que fui a São Paulo realizar prova do concurso do Banco Central, aproveitei para aparecer um colega que começou a estudar para concursos no início de novembro. O cara é adestrado em engenharia e seu foco é um cargo público na setor.

Uma vez que bem, cheguei no afastamento no qual ele mora com a mulher e a filha, no qual me receberam bastante bem. De cara fui levado para a cozinha para ingerir um bom café com pão de queijo quentinho (os dois são mineiros).

Qual é o material de estudo ideal para concurso?

Conversa vai, conversa vem, a mulher do cara diz o posterior:
“Nossa, vocês concurseiros são pirados por livros. Se sujeitar-se do Reinaldo daqui a pouco este afastamento estará abarrotado de livros até o abrigo.” Achei que a criança aparecia usando uma alegoria de lingagem, porém entendi que não era bem o caso no momento em que o cara me levou para conhecer o quarto de pesquisas dele. Este colega recebeu de ancestralidade o belo afastamento no qual moram em Avenida Mariana, bairro bastante bom da capital paulistana, um afastamento da casa de 70 bastante bem conservado com 3 quartos amplos.

Então me perguntaram: Estratégia Concursos é bom mesmo?

Um dos quartos é do casal, outro da filhinha e o alcoviteiro que já era empregado como banca caseiro foi adaptado em quarto de pesquisa. Gente, o cara devia ter mais de 200 e apostilas de concursos públicos atulhando uma grande biblioteca de taipa inteira. Daí seguiu um abocamento mais ou pouco dessa maneira. – Nossa, rapaz, no qual você arrumou tantos livros e apostilas dessa maneira? – Perguntei dando uma olhada nos títulos e verificando que havia de tudo um tanto, tanto em termos de matérias, editoras, concursos quanto de épocas, similarmente. – Comprei muita coisa em sebos, ganhei material de colegas, de colegas de colegas, essas coisas – Respondeu altaneiro meu colega. – Cara, possui muita coisa antiga demais aqui, material que você não irá utilizar – Disse com abertura. Conversamos muito sobre concursos e disse paa ele, quer dizer, repeti o que já havia mencionado antes, que para estudar para concursos públicos é necessário ter o melhor material, que frequentemente se resume a uma batelada de livros, no máximo.

Use pouco material

Expliquei que material em abundância e bastante antecessor apenas atrapalha os pesquisas, ensina coisas ultrapassadas e dá agonia no concurseiro apenas de analisar aquelas pilhas e pilhas de livros e apostilas. Uma vez que bem, nesse alvoroço conversamos um tanto pelo Skype e o cara disse que pensou no que eu disse com atenção ao longo alguns dias e concluiu que eu aparecia certamente. O que ele tirou? Separou apenas uma batelada dos melhores livros de todo aquele material, por demonstração todos novos e atual que ele havia adquirido, e o remanente doou para uma biblioteca popular de uma agremiação carecente da agitação norte paulistana, a fim de auxiliar concurseiros sem material de pesquisa.

 

“Putz, Charles, é inclusive um abrandamento não ter aquela batelada de material de pesquisa parece que me vigiando, cobrando de mim estudá-lo.” Uma vez que é, concurso, se de um lado é natural este fetiche por preservar grandes quantidades de material de pesquisa (livros, apostilas, resumos, …), por outro lado isto é uma grande redução de tempo e um peso nos ombros que você pode e precisa não transportar. Apanhado da ópera – Mantenha somente o melhor material de pesquisa que você possui, aquele indispensável para seus pesquisas, que você não pode viver sem. O remanente doe para mais concurseiros com pouco recursos ou para uma biblioteca pública. Possuir uma porção menor porém, especialmente, ideal de material de pesquisa além de ser um abrandamento para o concurseiro, que dessa maneira nãos se sentirá tão calcado, similarmente favorece na momento de estudar por não ser necessário despossar um tempão buscando certo livro entre o material de pesquisa se possui.